domingo, 21 de dezembro de 2008

Travesseiros de sonhos...

Quando penso em você

Vou além das pernas lisas

E quase que do tamanho

das minhas coxas

Misturo as línguas

as cores das bandeiras

Ergo minhas bandeiras

Lambo os travesseiros

As colchas e lençóis

Acomodo na tua voz

E nas palavras

Que não entendo

Eu me tremo

Perco por uma passagem

Pela crise que te ataca

Bolsas furadas

Uma historia roubada

Cataratas retiradas

acho perdido

Liso e listo

Os meus travesseiros

cheios, de sonhos


Fredericco Baggio

 

 

3 comentários:

Rafa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rafa disse...

E quem é que nunca realmente se perdeu nisso...e acabou misturando as cores das bandeiras, misturou duas línguas ou três...Perder-se no mapa, no espaço! Mas no travesseiro acredite e a ele volte sempre!!!!!!!

Amo muito tudo isso.

Vâmvú disse...

Ah, esses travesseiros portadores e guardiões de tantos sonhos...
Lindo poema, Fre.
=)