sábado, 26 de março de 2011

DESÁGUE



Vez em quando

Do que, quase nunca

Tiro palavras soltas

Olho pros rios, plantas e águas

Não param!


Vez e sempre

Todos os dias

Esse rio, silencioso

Correm em palavras

Não deságuam!

Chuvas e ventos do sul

Bem mais ao sul

(ao ponto de perder o norte)


Açoitam e continuam em águas

Palavras de rios com plantas

Em suas beiradas simples

Com seus peixes

Vidas, de morto silenciam

Se quebram

Se chovem

Gritam,

Desaguam!


2 comentários:

Valéria C. disse...

vezenquando transbordam...

enzoooooo disse...

o blog voltou!!!!
a vida se move. obrigado!
bjones!!!!