sábado, 21 de maio de 2011

Tango de Pedras!


Este tango que ainda toca

Na vitrola de repetições

dos meus sentimentos.

Nossa estrutura

e a nossa estufa:

De pedras

Brotando cada dia,

mais pedras!

Voce ainda não entendeu

De que um castelo é feito?

Ao parecer suas pernas trançadas

As minhas coxas,

não te deixam pensar.


Cartas na mesa!

E a vitrola repete Piazzolla.

Os movimentos das mãos

O ensaio repetitivo dos lábios

A quase sinceridade de palavras

Repetem!


O seu vinho tinto

que manchou a toalha

meu café acelerando a toada

e o tempo

Um acordeon em um solo

De cortar qualquer palavra

Congela um par de lágrimas

Lágrimas que neste caso

são águas, que foram pedras

Que foi feito o vinho

A mesma do café.

Um castelo sempre é feito

De cartas, de tempos

Do modo que o vento

Que sopra na nuca

E lambe as pernas

Acabam com os sonhos

(em segundos)

E numa repetida

Melodia de trocas de pernas

Um tango dura mais

Que uma vida

Que uma pedra.


2 comentários:

Vâmvú disse...

Adorei!
Intenso... adoro!
"Lágrimas que neste caso
são águas, que foram pedras
Que foi feito o vinho
A mesma do café." Adoro isso e também "E numa repetida
Melodia de trocas de pernas
Um tango dura mais
que uma vida"

Sinto uma pequena dose de revolta e dor embutido nesses versos, sutil...mas gosto muito!
Phodástico!!!!
=)

Luz Chaves disse...

Muito interessante! Até ouvi um violino. ;)