sexta-feira, 28 de novembro de 2008

CARTAS QUE EU ESCREVO PARA MIM



Quando escrevo preciso de elementos básicos, o que poucas pessoas sabem... ou entenderiam.

Eu geralmente coloco um som... seja lá qual for... vai depender do estado da Alma.

Café. E enquanto aquela água ferve... vou idealizando as palavras. Café pronto, idéia quase pronta... cigarro aceso... e por favor, um tanto de silencio. Falo sozinho nesse preparo. Deve ser engraçado entrar num ambiente e pegar uma pessoa com uma xícara de café, cigarro ardente e falando sozinho... mas é praticamente uma necessidade biológica. Ouvir minha voz ressoando e reverberando pelas paredes da casa. Dizem que eu tenho a voz forte e grave.

De preferência que eu esteja conectado a internet.

Engraçado porque isso pode parecer que atrapalha, não é mesmo?

Pelo contrario, me ajuda... um bocado.
Sinto-me muito feliz quando encontro alguém que possa trocar idéias on-line.

Eu juro que gostaria de entender um pouco mais dessa minha necessidade de escrever.

Não me lembro ao certo quando comecei.

Mentira! Acabo de lembrar... quando meu primeiro Amor veio a acabar...digo, o primeiro relacionamento, eu escrevi uma carta longa.

Lembro que a carta de despedida... era sinceramente profunda.

Começou um ato desenfreado de escrever.

Eu já escrevi isso numa poesia... escrevo para morrer... e para ficar egoisticamente registrado.

De alguma maneira, meu medo de virar poeira cósmica é o que me deixa puto.

Poeira é apenas sujeira.

Não me acho nenhum grande pensador... nem poeta... muito menos escritor. Só exponho o que sinto... em palavras. Óbvio que eu gostaria, e muito, que o Mundo me lesse. Apenas no sentindo de poderem enxergar com meus olhos. Nem que seja por um segundo.

Comecei a escrever porque sempre achei que as pessoas da minha família nunca me deram ouvidos... no que eu tinha a dizer. Diziam e ainda dizem, em algumas circunstancias, que eu sou agressivo quando falo. Talvez pelo tom da voz... e por meus olhares.

Pois é... deixa eu falar dos olhares um pouquinho.

Eu sei que essa é uma das minhas maiores “armas”. Sim, estou falando de sedução. Afinal num me acho nenhum tipo de Don Juan. Mas “Deus” foi um cara generoso comigo, de alguma maneira.

Escrever! Era isso que eu estava falando afinal. Foi no medo de não ser ouvido... e ser “agressivo” que comecei a escrever. Pois por acaso não vão ouvir minha voz e podem até reparar nos meus erros medíocres... das minhas acentuações baratas.

Rimei “dor” com “amor” por longos anos. Mas mesmo rimando “dor” com “amor”... comecei a sentir aquilo tudo. Mesmo sendo poesias baratas (e hoje muito bem escondidas), criaram essa estrada invertida. Hoje eu corro para dentro... numa busca insaciável por tantos “eus” habitantes.

Hoje eu falo mais. Digo, verbalizo mais o que sinto. Aos 15 anos conheci uma figura que dizia que eu morreria de câncer se eu não falasse. Morro de medo de morrer de câncer. Doença desgraçada. Hoje, sendo agressivo ou não... eu falo mesmo.

Mas quando vou, de fato, expressar algo, prefiro escrever... ou olhar. Mas não poderia ficar gravando meus olhares... em câmeras de celular. Seria ridículo. Me sentiria, um pouco mais, ridículo.

Cargas d’água, hoje a internet não conectou. Passei um café depois da 1:00hs da manhã e fumei alguns cigarros. Não pude falar sozinho nem deixar a voz reverberar pelas paredes. Meu irmão dorme tem duas horas e isso o deixaria emputecido. Comecei escutando música instrumental e tô ouvindo MPB agora.

Que engraçado, tiveram dias que cheguei a sentar numa calçada qualquer daqui de São Paulo para escrever debaixo de garoa.

É um surto escrever.

É uma mentira tão sincera... que chego a vivê-las como se fosse verdade. Mas eu prefiro mentiras sinceras... do que algumas verdades.

Fredericco Baggio

6 comentários:

Anônimo disse...

Não vai escrever mais? Quero te ler! Abraço!

Luciana }i{ disse...

pois seguirei seu conselho.
não morrerei por tão pouco...
deixe que minhas palavras morram por mim.
ótimo texto. muito de mim escrito aqui....
Beijos

Anônimo disse...

Já ouviu uma frase de Fernando Pessoa, que tem muito a ver com o final dessa postagem? Diz assim:
"O Poeta é um fingidor, finge tão completamente que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente."
Beijo.
Mariana.

Clark disse...

textosssssss.. gosto mais assim, já te disse.

e esses parágrafos separados.. como seu dividisse o pensamento.

sempre ótimo, amigo.

sempre ótimo.

thais disse...

minha forma de tentar não morrer de câncer é falar através das fotografias. Dizem que eu tenho jeito com as palavras. Mas ainda acho que eu sou melhor com a câmera.
Cada um usa a arma que tem, né! E você usa a sua muito bem.
Bejo

Mah Moranguinha disse...

Não te conheço, mas juro... se um dia precisar te empresto minha net e até te passo um cafezinho só para garantir que continuará escrevendo, lindamente diga-se de passagem, e que em algum momento eu tive um grau de participação nisso tudo (pq tb quero ser egoísta e ficar marcada na eternidade, nem que seja pela COPEIRA de Sr. Fred, o POETA)... Bjs, sempre acompanhado de perto...