quinta-feira, 25 de setembro de 2008

AQUI... eu posso tudo... (menos viver)




Aqui... eu posso ser tudo que quiser. O que minha imaginação mandar... e confesso que minha imaginação... ultrapassa a linha do horizonte.

Isso aqui é a terra de ninguém... a terra do nunca... e pode ser até mesmo a terra prometida.

Você poder ser tudo que sempre sonhou ser... ou tentar ser real.

Aqui... podemos falar que nosso nome é: Pedro, João, Mateus, Francisco, Mario... e se preferir, pode também dizer: Marina, Daniela, Paula, Carolina, Marlene. Quer um sobrenome também? Pelo menos posso parecer mais real: Rodes, Alencar, Moraes, Farias, Oliveira.

Podemos ter a idade que quiser. Posso ter 15 anos, mas parece imaturo de mais. 25 anos... uma idade que a realidade, nos bate na cara de mão aberta. 40 anos, talvez um pouco experiente de mais e aquela figura não ter atração por você. E se acaso a casa cair, podemos encerrar o assunto com uma frase: “Como disse sou mais velho do que te falei, mas não aparento a idade que tenho, pareço mais jovem mesmo, tenho 40 anos.”

Acharemos uma idade mediana, que vai agradar os Gregos e os Troianos.

E daí... nos atiramos nesse mundo... que criamos... com uma realidade que gostaríamos que existisse.

Aqui podemos viajar, roubar fotos de alguém em um pais distante. Caso tenha alguma coisa errada, com a aparência física, meu caro, existem  programas que corrige rugas, orelhas, olheiras e todas as chamadas imperfeições.

Invente uma personalidade, de preferência forte – para impressionar - e passe horas a fio aqui.

Fazendo o que?

Talvez a procura de novo relacionamento, de novos amigos, de novas informações.

Mas não se esqueçam... aqui podemos falar que estamos chorando, enquanto na verdade estamos comendo um chocolate. Podemos escrever: “risos”... quando na verdade, nenhuma emoção facial nos foi dada.

Podemos dizer que somos artistas.

Posso dizer que eu sou Artista Plástico... que eu tenho um cachorro, moro ali ou aqui... que estou de mudança pra outra cidade, até mesmo pra outro país.

Tu acaba virando um artista, realmente. E plástico também. Porque você está se passando por algo que você gostaria de ser ou ter... e não é nada disso.

Aqui podemos fazer sexo... da maneira que queremos, que sonhamos. Podemos nos pendurar em um ventilador de teto e por fim, gozar da maneira que sempre sonhamos.

Aqui podemos falar de Amor, sem nunca ao menos ter vivido uma história. O mais próximo de Amor que conheceu foi o Amor do cachorro, ou da sua mãe.

Aqui ser sincero, é besteira. Ter valores, só aqueles que nos vieram a cabeça nos últimos instantes. Porque aqui a gente pode tudo... a gente só não pode viver a realidade. Nua e crua, como ela realmente é.

Mas o ser humano é louco, é carente e pode ser tudo de pior, quando se trata de uma vida real. Mas nesse paraíso chamado Internet - chat, orkut, blogs, msn, fotolog, sites de relacionamentos, etc – podemos ser SUPER HOMEM!

Aqui, você pode perder um amigo, um amante... e talvez mesmo se perder, depois de um tempo.

A gente tem esquecido de viver... a gente tem esquecido de viver...

E quando falo em viver... eu estou querendo dizer das coisas simples que a Vida nos deu.

Pedir desculpas em alguém que esbarrou na rua, por acidente e poder olhar nos olhos dela, se você não estiver escondido atrás de uns óculos escuro.

Ver um por do sol, por ai com seus amigos de infância ou amigos da escola, do trabalho... falando qualquer merda. Mas dando risada com pessoas reais e ao mesmo tempo tendo um pouco de sensibilidade ao assistir esse espetáculo da natureza.

Sentar na grama do parque, sem preocupação de sujar sua calça.

Enfim... o que me dá uma tristeza profunda... é pensar que estamos esquecendo de viver...

E quando falo disso, é porque eu fui criado em uma cidade do interior do estado de São Paulo, que brincava na rua (quando aquela ainda não era asfaltada, ainda era de terra a rua da casa dos meus pais), que sempre olhei as pessoas nos olhos e nunca tive medo da verdade dita.

Lembro ainda que em casa, meu pai assinava um jornal, que agora podemos ler na internet, e na época sujavamos a mão de tinta para poder ler uma noticia, o horóscopo, ou qualquer coisa assim...

Me lembro dos meus Amigos do interior, que as vezes passávamos horas juntos e em silencio. Não precisava dizer nada, um pr’outro... a companhia bastava.

Me passa tanta coisa na cabeça... mas o que fixou hoje... é que estamos esquecendo de viver... na simplicidade que as coisas são.

E pra ser sincero, se é que isso vale alguma coisa aqui, ando cansado de até mesmo de ser sincero aqui...

Nós estamos esquecendo de viver...

Que pena!

 

 

2 comentários:

Thiago disse...

Não que a gente se esqueça. Creio que a gente até sabe onde peca. O problema na verdade é ego! Somos egoistas ao nosso modo.

Parabéns pela iniciativa do blog. Depois visita o meu.

Abs
Thigas

Bianca disse...

Lindo me emocionou viu!!
Tambem sinto assim, Temos tudo e NADA ao mesmo tempo por aqui!
A facilidade de termos noticias corriqueiras nos deixa mais longe de um abraço, de um tempo juntos, de ficar sem fazer nada ao lado de quem gostamos....
Um olá virtual é nossa carencia de GENTE! Estamos realmente deixando de VIVER!!!
Parabens pelo seu Blog e por tamanha sensibilidade.
Estarei sempre por aqui, ganhou mais uma fã.
Mas o mais importante te espero aqui para um abraçao bem gostoso!!
Que é melhor ainda né!!

Beijos orgulhosos
Bi